16512 - CASA C-212-100 Aviocar - FAP

CASA C-212-100 Aviocar

O Aviocar
Missão FAP
Frota

O CASA C-212 Aviocar é um avião bimotor turbo-hélice, com revestimento metálico, com rampa de acesso para carga. Tem a capacidade de transportar 18 passageiros, 16 paraquedistas com equipamento completo, 12 macas ou 2000Kg de carga na versão -100.

A Força Aérea Portuguesa encomendou os CASA C-212 com o objectivo de serem empregues na Guerra do Ultramar primariamente nas missões de transporte táctico e logístico e de evacuação de feridos, complementando as aeronaves Dornier Do 27 e substituindo os Douglas C-47 ainda ao serviço.

As 24 aeronaves começaram a ser recebidas ainda, em 1974 e em princípios de 1975, sendo colocadas na Esquadra 32, da Base Aérea Nº 3. Devido à revolução de 25 de abril de 1974 já não foram enviadas para África como previsto.

(in Wikipédia)

Em 1974, com a chegada dos C-212 Aviocar em substituição dos Noratlas, a Esquadra 32 sediada na Base Aérea nº 3 (Tancos) passa então a ter a designação de Esquadra 502. Com o fim da guerra em África, a Esquadra 502, conhecida como "Elefantes", passou a operar em destacamento permanente na ilha de Porto Santo em missões de apoio à população local. Em 1988 inicia-se o destacamento aéreo de São Tomé e Príncipe que operou durante 20 anos, efetuando um total de 5500 horas de voo e o transporte de 50 mil passageiros.

Com a reestruturação da Força Aérea, a Esquadra 502 transita para a Base Aérea nº 1 (Sintra). Em 2007, a Esquadra 711, na Base Aérea nº 4 (ilha Terceira, Lajes) cessa a atividade com o Aviocar, tendo então os "Elefantes" iniciado o Destacamento Aéreo dos Açores.

No início de 2007, uma nova página abre-se na história da Esquadra 502, aquando da assinatura de doze aeronaves EADS C-295M, para substituírem o C-212 Aviocar. Sete destas aeronaves estão configuradas para Transporte Aéreo Tático e as restantes cinco para Vigilância Marítima. Em 2009 dá-se a transferência da esquadra para a Base Aérea nº 6 (Montijo), onde em fevereiro aterra o primeiro C-295M.

A Esquadra 502 na atualidade realiza missões de Transporte Aéreo-geral, Transporte Aéreo-tático, Apoio Logístico, Vigilância Marítima, Busca e Salvamento, Evacuações Aero-médicas, Lançamentos de Tropas Aerotransportadas, lançamento de carga aérea e Transporte de Altas Entidades.

(in EMFA)

A Força Aérea Portuguesa encomendou os CASA C-212 com o objectivo de serem empregues na Guerra do Ultramar primariamente nas missões de transporte táctico e logístico e de evacuação de feridos, complementando as aeronaves Dornier Do 27 e substituindo os Douglas C-47 ainda ao serviço.

As 24 aeronaves começaram a ser recebidas ainda, em 1974 e em princípios de 1975, sendo colocadas na Esquadra 32, da Base Aérea Nº 3. Devido à revolução de 25 de abril de 1974 já não foram enviadas para África como previsto.

(In Wikipédia)

Velocidade Max: 208 kts

Altitude Max: 26,000 ft

Lugares: 20

Tipo de Operação:
Paraquedismo, Carga, Voos Regionais, Charter

16505 – CASA C-212-100 Aviocar – FAP
16509 – CASA C-212-100 Aviocar – FAP
16512 – CASA C-212-100 Aviocar – FAP
16513 – CASA C-212-100 Aviocar – FAP
16517 – CASA C-212-100 Aviocar – FAP
16509 – CASA C-212-100 Aviocar – FAP

Casa C-212 Aviocar

O que resta da frota FAP, fotografados em hangar na Base Aérea nº 6, Montijo, Portugal, em 2018, antes de serem vendidos à Sevenair.

error: Conteúdo protegido !!