Governo e ANA vão assinar na próxima terça-feira, 8 de Janeiro, o memorando de entendimento.

Montijo vai arrancar. O Governo e a ANA – Aeroportos de Portugal vão assinar na próxima terça-feira, 8 de Janeiro, o memorando de entendimento que dá início à concretização do projecto aeroportuário na margem sul do rio Tejo. O acordo revê o actual contrato de concessão, havendo margem para a gestora aumentar as taxas cobradas em Lisboa.

Segundo com o Jornal de Negócios, que não revela onde obteve a informação, no âmbito do acordo entre o Estado e a concessionária, a Vinci, que controla a ANA, irá suportar todos os custos de investimento no projecto aeroportuário do Montijo. Ao mesmo tempo, a ANA fecha a pista 17/35 para poder ganhar espaço para “estacionar” mais aviões no Humberto Delgado.

Este acordo foi alcançado graças à revisão do contrato de concessão da ANA que define as metas do investimento a realizar nos próximos anos, mas também revê o método de cálculo das taxas aeroportuárias. A ANA, revela o Negócios, poderá repercutir parte do valor do investimento nas taxas cobradas em Lisboa.

Apesar das alterações ao contrato, que permitem levar para o terreno o aeroporto do Montijo que deverá entrar em funcionamento em 2022, o contrato de concessão do aeroporto Humberto Delgado não sofre alterações, mantendo-se até 2062. Há é um alargamento do objecto alvo de concessão.

Fonte: ECO

error: Conteúdo protegido !!